quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Pimeira Menção Autêntica do Nome da Família Montandon

Primeira Menção Autentica do Nome da
Família Montandon
1378

Ato no qual o Senhor de Valangin regula as condições sobre as quais os habitantes de Locle e de Sagne poderão assentar os limites de delimitação territorial, de 07 de junho de 1378.

Eu, Jehan dArberg, Senhor de Valengin, venho informar a todos aqueles que verão e terão estas presentes cartas, que no sétimo dia de junho no ano de nosso senhor em 1378, Othenin de Gier, nosso guardião de Valengin, imputara uma multa de 30 litros de vinho a todos aqueles que tenham contraído matrimonio recentemente e por todas as vinhas que eles tenham cultivado através de licença concedida pelo referido guardião, a multa será de 120 litros de vinho e sessenta sous por cada vinha. Estas resoluções foram motivadas pela vinda em nosso domínio de Jacot Montandon de Locle, Jehannin Sadoul, Huguenin Gentiz, Besancenet (o clerigo) e Estevenin de la Luze em nome dos habitantes de Locle, e de Hiane Touchenet de Sagne, Parrenaul, Jehan Savestre e Hiane Metrei em nome dos habitantes de Sagne. Estes senhores humildemente nos pediram, para a manutenção legitima dos direitos, que respeitássemos aqueles que primeiramente trabalharam a região, e que explicássemos a razão de nosso abandono e negligencia para com tal vasta área e seus ocupantes. Estes pedidos, endossados por Othenin de Gier, criariam melhores condições aos futuros herdeiros, ao senhor territorial atual e ao que vira, já que estes terão direito a 64 litros de vinho por cada vinha, sendo esta mensurada entre as florestas e as pastagens comunais e a herança dos ocupantes e responsáveis das áreas referidas. A partir desta nos daremos e facultaremos uma área que compreenderia a ponte do Locle ou Gudebat ate as pontes levadiças da Chault de Font, ou Mont Dar. Aos mais abastados financeiramente, a área seria de aproximadamente 456 hectares, e para as boas vinhas produtivas ou aquelas cultivadas sem nossa licença, o preço fixado para taxação seria de dez florins, sendo que dois florins nos acusaríamos recebimento através dos senhores acima mencionados. Por questão de Fe, reiteramos juramento perpetuo, por nos e por nossos e vossos herdeiros, sobre o que foi escrito e defenderemos tal posição contra tudo, renunciando a qualquer ato que por ventura venha macular a orientação do presente documento. Eu, Jehan dArberg, serei responsável pela aplicação efetiva das presentes cartas, respeitando o direito de todos. Feito e entregue no sétimo dia de junho, ano de nosso senhor, 1378

Este texto foi copiado do livro:
""Os Montandon de Minas Gerais""
de José Dagualberto Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário